Comissão de Ética segue analisando documentos

por Victor Vargas — publicado 01/04/2014 00h00, última modificação 08/11/2018 13h43
A Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Caruaru, reunida durante...

A Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Caruaru, reunida durante toda a tarde desta terça-feira (01), prosseguiu com os trabalhos de apuração dos documentos relacionados aos processos judiciais dos dez vereadores afastados, no final do ano passado, por envolvimento na Operação Ponto Final, da Polícia Civil. A reunião foi acompanhada pelo secretário jurídico da Casa, Bruno Martins.

Na reunião de hoje, os cinco membros titulares da Comissão – o presidente Ricardo Liberato (PSC), o relator Marcelo Gomes (PSB), o secretário Rozael do Divinópolis (PROS) e os vereadores Demóstenes Veras (PROS) e José Ailton (PDT) – fizeram a análise de documentos resultantes das diligências já efetuadas, relativas à notificação dos vereadores. “Até às 18 horas desse 1º de abril faltavam ser notificados os vereadores Evandro Silva (PMDB) e Val de Cachoeira Seca (DEM)”, afirmou Liberato. Indagado sobre a resposta da OAB seccional Caruaru, que foi instada em fevereiro, por ofício, a nomear um representante para acompanhar os trabalhos da Comissão, o presidente disse que a entidade ainda não havia se manifestado.

A Comissão de Ética e Decoro Parlamentar foi instalada no dia 14 de fevereiro passado, seguindo recomendação do Ministério Público, de acordo com o Regimento Interno, para apurar se houve quebra de decoro dos vereadores Sivaldo Oliveira (PP), Cecílio Pedro (PTB), Louro do Juá (SDD), Jajá (sem partido), Eduardo Cantarelli (SDD), Evandro Silva (PMDB), Val das Rendeiras (PROS), Joseval Val (DEM), Neto (PMN) e Pastor Jadiel (PROS), indiciados pela Polícia Civil por alegada participação na chamada Operação Ponto Final.

Todos os envolvidos – com exceção de Evandro Silva e Joseval Val (Val de Cachoeira Seca) – foram notificados e têm 15 dias para apresentar sua defesa. A Comissão tem um prazo de 60 dias, que pode ser estendido para até 90, para concluir os trabalhos de apuração e encaminhar o relatório final à presidência da Câmara, que decidirá, então, se o caso será levado a plenário.

A próxima reunião da Comissão de Ética está marcada para o dia 08, terça-feira, às 11h.

Guanabara Comunicação/AscomCâmara

registrado em: